Saiba tudo sobre os vinhos chilenos


Saiba tudo sobre os vinhos chilenos

Para muitos, o vinho é muito mais do que uma simples bebida: é uma expressão cultural. De fato, é possível associar a sua elaboração com a história e o desenvolvimento de diversos países. Um claro exemplo disso é a relevância que os vinhos chilenos ganharam ao longo dos anos. 

A produção da bebida no Chile (país localizado ao oeste da América do Sul) sofreu diretamente a influência de todos os períodos históricos vividos pelo país e pelo seu povo. Por isso, a relação dos chilenos com a bebida é bastante íntima.

Quer saber mais sobre a história do vinho chileno, conhecer as suas principais características e saber quais são as uvas mais utilizadas? Confira o post que preparamos para sanar suas principais dúvidas sobre o assunto. Boa leitura!

A história do vinho Chileno

O início da história

Embora a indústria vinícola só tenha começado a florescer em solo chileno após a independência do país (que ocorreu em 1818), a história da relação entre essa nação e a bebida começou muitos anos antes do acontecimento desse evento.

A introdução do vinho para o povo chileno se deu em meados do século XVI, com a chegada dos colonizadores espanhóis na América do Sul. Os conquistadores e os missionários que chegaram ao local iniciaram o processo de catequização dos nativos do Chile (lembra-se dos jesuítas no Brasil?). Por isso, precisavam da bebida para os rituais religiosos.

De acordo com historiadores, os primeiros vinhedos foram iniciados por Francisco de Aguirre, na região norte do país. Já na capital Santiago, o processo começou por obra de Diego Garcia de Cáceres, responsável pela plantação das primeiras videiras que mais tarde forneceriam matéria-prima para uma das mais apreciadas bebidas de todo o mundo.

Anos mais tarde, mais precisamente na década de 1780, a qualidade dos vinhos já estava consolidada e as exportações dos produtos aumentaram exponencialmente. Com elas, cresceram os investimentos em vinhedos no país, observando que as condições climáticas são ideais para o cultivo dessa fruta.

Dica: Conheça quais são as 13 uvas mais tradicionais na produção de vinho

Após o Movimento de Independência (1817-1818)

Após a independência do povo chileno em relação à Espanha, a produção de vinhos no país começou a decolar e criar uma maior personalidade, afastando-se um pouco do estilo europeu e desenvolvendo uma cara própria.

Boa parte desse processo se deve a Claude Gay, um francês que foi o responsável por convencer o governo chileno a investir em uma maior diversidade de uvas. Com isso, houve uma grande importação de frutas da França e Itália, que passaram a ser cultivadas no Chile. Foi então, a partir de 1850, que as famosas variedades originárias da região de Bordeaux chegaram ao país. 

Como já mencionado, o clima do Chile é extremamente benéfico para o desenvolvimento da videira e praticamente todas as uvas testadas se adaptaram perfeitamente ao território chileno. Além disso, no final do século XIX a grande epidemia da filoxera (praga que ataca as raízes da planta, impedindo a absorção dos nutrientes), atingiu as mais renomadas regiões vitícolas do mundo, contudo, jamais acometeu as videiras chilenas, devido às barreiras naturais existentes no país, a Cordilheira dos Andes e o Oceano Pacífico. 

Já em 1900, o vinho chileno encontra-se consolidado no mercado mundial, ganhando prêmios e sendo reconhecido por apreciadores da bebida em todo o planeta. Infelizmente, a chegada da Segunda Guerra Mundial (1939-1945) trouxe grande prejuízo para a produção, que entrou em recesso por muitos anos.

Nas décadas de 70 e 80, a situação ficaria ainda pior, graças às alterações políticas vividas no país naquele momento. A demanda pela bebida foi cruelmente reduzida durante esse período, o que culminou no extermínio de diversas videiras por conta da queda no preço das uvas e, consequentemente, do vinho, cuja produção já não era tão lucrativa quanto outrora.

O renascimento do vinho chileno

Felizmente, as dificuldades foram temporárias e com o passar do tempo, o vinho chileno se reergueu. Com a redução dos conflitos internos e o retorno da paz do cenário político no início da década de 90, foi possível retomar a produção e conseguir novamente o incentivo governamental para o cultivo das uvas.

Hoje em dia, o país voltou a ser reconhecido mundialmente como um produtor de vinhos de qualidade e com muita personalidade. Com a recobrada da popularidade, a indústria da bebida no país voltou a ser importante.

As principais razões para essa rápida recuperação são as centenas de anos de experiência, além do clima perfeito para o cultivo e da localização geográfica privilegiada, que permite o isolamento ideal para evitar que pragas e doenças (principalmente as ocasionadas por fungos) atinjam as videiras do país. Isso faz com que os produtores usem menos compostos químicos para afastar esses agentes.

Atualmente, as exportações dos vinhos chilenos estão a todo vapor e chegam a mais de um bilhão de dólares anualmente, com mercados espalhados nos cinco continentes. Há, inclusive, um pesado investimento estrangeiro no país, com o uso do solo e do território para a produção externa, o que fomenta ainda mais o setor.

Confira abaixo o guia completo sobre os principais tipos de uvas utilizados para a produção de vinhos ao redor do mundo. 
Conheça os principais tipos de uvas usados na produção de vinhos

Regiões do Vinho Chileno

1. Aconcágua

A área que abrange a região de Aconcágua é bastante extensa, indo desde a costa do país até o interior. Por isso, essa é uma das partes mais ensolaradas do Chile e as áreas normalmente escolhidas para o cultivo da vinha são aquelas encontradas em maior altitude.

Por conta das temperaturas frias durante a noite, os vinhos apresentam maior concentração de compostos fenólicos, tornando-se mais longevos e equilibrados. Além disso, as icônicas uvas de Bordeaux (Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc) produzidas no Aconcágua são únicas, com características mais rústicas e com toques de especiarias e frutas secas.

2. Maipo

O Vale do Maipo, como também é conhecido, é uma das regiões mais históricas do Chile, especialmente quando se fala sobre vinhos. Afinal de contas, foi aqui que os conquistadores espanhóis iniciaram a sua plantação de uvas.

Sua proximidade com a capital permite que os visitantes estiquem o passeio e se deslumbrem com as paisagens da região enquanto visitam Santiago. A principal estrela da região é a uva Cabernet Sauvignon, que encontrou no Maipo o clima perfeito para ser cultivada.

3. Vale Rapel

Essa área produz quase um quarto de todo o vinho chileno e é bastante extensa, percorrendo boa parte das cadeias montanhosas do país. Essa é, portanto, uma ótima oportunidade para quem busca conhecer novos lugares e degustar ótimos rótulos.

A região é especializada em uvas tintas, mas podemos encontrar bons exemplares de Chardonnay e Sauvignon Blanc. Além disso, a Malbec também está sendo difundida no local, se tornando uma nova alternativa para os vitivinicultores

4. Vale de Colchagua

A região está localizada a cerca de 160 quilômetros da capital Santiago, em uma área mais ao sul. O clima predominante do local é quente e seco, mas varia bastante de acordo com a altitude na qual as videiras estão plantadas (a variação dos vinhedos aqui é de 200 a até 3000 metros acima do nível do mar).

Em relação ao solo, podemos dizer que ele é composto por uma mistura de granito, argila vulcânica e xisto. Por conta disso, a região é constantemente comparada ao Napa Valley, na Califórnia (EUA). De todas as variedades de uvas cultivadas na área, destacam-se a Syrah e a Cabernet Sauvignon.

5. Cachapoal

Se o que você busca é um vinho elegante, a região de Cachapoal provavelmente produz exatamente o que procura. Localizada próximo aos Andes, esse local proporciona vinhos  muito elegantes, onde as clássicas uvas de Bordeaux se fundem perfeitamente com a delicada Carménère.

Além disso, a produção de Cabernet Sauvignon é muito importante para a região, mais especificamente em uma sub-região conhecida como Peumo. Vale a pena se aventurar e experimentar um pouco dessa cultura em sua visita ao Chile.

Dica: Conheça os 6 principais benefícios da uva para a sua saúde

6. Curicó

Cercada por cadeias montanhosas, a região de Curicó conta com um clima bastante diferenciado para os padrões do Chile. As montanhas bloqueiam a interferência oceânica sobre o local, tornando o ambiente predominantemente continental, ou seja, com grandes variações entre as temperaturas do dia e da noite.

Isso faz com que as uvas do local tenham características únicas, especialmente quando falamos sobre os vinhos tintos. Por essa razão, a região de Curicó é a maior produtora chilena da uva Sauvignon Blanc, onde a explosão de aromas é inconfundível. 

7. Vale do Maule

Em extensão territorial, a região vinícola do Vale do Maule é sem dúvidas a maior de todo o Chile. Ela está localizada a quase 300 km de Santiago e conta com uma imensa diversidade de uvas produzidas.

Por conta de seu clima relativamente quente (quando falamos, é claro, dos padrões chilenos de temperatura), a produção aqui é bastante variada. Podemos encontrar vinícolas que trabalham, por exemplo, com as variedades Merlot, Cabernet Sauvignon, Malbec, Carignan, Pinot Noir, Chardonnay e Carménère.

8. Casablanca

A região de Casablanca é, sem sombra de dúvidas, uma das mais interessantes de todo o Chile. Seus vinhedos são comumente envoltos em uma pesada névoa branca e o ar é considerado salgado devido sua proximidade com o oceano. Curioso, não?

Por conta disso, o vale de Casablanca só passou a ser desbravado para a produção vinícola na década de 80. Desde então, a região está prosperando e conta com uvas das variedades Syrah, Sauvignon Blanc, Pinot Noir e Chardonnay.

9. Limari

O clima em Limari é um dos mais peculiares na produção da bebida em todo o planeta. Isso acontece por conta de sua proximidade com o deserto do Atacama, considerado como o ponto mais árido e seco do mundo.

Apesar disso, o local recebe uma boa quantidade de brisa oceânica, o que faz com que as uvas resistam bem ao ambiente. A produção de Chardonnay é um dos pontos fortes da região, assim como das uvas da variedade Syrah.

10. San Antonio Valley

O vale de Santo Antônio é uma das regiões mais frias e chuvosas do país, o que diferencia suas uvas das outras. Assim como a área de Casablanca, esse vale só começou a ser explorado recentemente.

Como os dias são amenos e as noites frias, o vale de San Antonio permite o perfeito cultivo das variedades Pinot Noir e Chardonnay, no qual são beneficiadas com as baixas temperaturas, ocasionando em vinhos mais frescos e equilibrados. 

Adquira os melhores rótulos em nossa loja virtual!
Adquira os vinhos da Famiglia

Uvas produzidas no Chile

Agora que você já conhece algumas das regiões vinícolas mais importantes no Chile, que tal ficar por dentro das variedades de uvas mais tradicionais que são cultivadas nesse país? Confira a seguir:

1. Cabernet Sauvignon

É praticamente impossível se interessar por vinhos e não conhecer a uva Cabernet Sauvignon. Ela é a variedade mais cultivada e a produção chilena conta com algumas particularidades bastante interessantes, graças às condições climáticas diferenciadas da região.

Apesar de ser originalmente francesa, a Cabernet Sauvignon se adaptou muito bem ao clima chileno. Além disso, as variações existentes dentro do próprio Chile fazem da degustação uma atividade impressionante e muito divertida, já que vinhos de diferentes áreas possuem sabores e aromas completamente distintos. 

2. Sauvignon Blanc

Atualmente o Chile é um dos maiores produtores de Sauvignon Blanc e consequentemente, de incríveis vinhos produzidos a partir dela, reconhecidos e consumidos internacionalmente. 

O vinho oriundo desta cepa em território chileno costuma apresentar intensos aromas de frutas tropicais e cítricas, favorecendo o consumo nos mais variados momentos e tornando-se uma das melhores opções para uma degustação simplificada e agradável, ainda mais em locais onde o calor é constante. 

3. Carménère

Uma das uvas tintas mais populares no Chile, a Carménère é nativa da França e nunca conseguiu prestígio em sua terra mãe. Em vez disso, se adaptou muito melhor ao clima único do país andino.

As principais características desta casta é a delicadeza de seus taninos e seus aromas sutis, remetendo a cereja, mirtilos e nuances de pimenta. Por isso, é indicada para pessoas que tenham um paladar sensível e queiram apreciar vinhos convidativos aos iniciantes. 

4. Chardonnay

A variedade Chardonnay é amplamente difundida e ocupa o terceiro lugar no ranking de uvas mais produzidas no mundo. As frutas originadas no Chile possuem notas frutadas e sabor marcante. 

Por tradição, é usual que o Chardonnay estagie em barricas de carvalho, esta aportando maior estrutura, complexidade e persistência ao produto. Atualmente, o Chile explora com maestria a elaboração de bons exemplares brancos, embora os tintos ainda sejam os maios produzidos e aclamados. 

Dica: O que são uvas autóctones?

5. Syrah

A variedade Syrah é descrita como uma das uvas mais antigas de todo o mundo. Ela é especialmente popular na região do Ródano, na França, onde a maior parte dos vinhos tintos apresenta em sua composição esta cepa.

Com as uvas produzidas no Chile, é possível esperar muitas nuances apimentadas e uma complexidade única. A sua produção no país está caindo na graça do povo e praticamente dobrou nos últimos anos.

6. Pinot Noir

Também originária da França, a uva Pinot Noir é amplamente difundida nas regiões da Borgonha e Champagne. Apesar de ser um exemplar que produz grandes vinhos tintos, geralmente apresenta coloração sutil. O sabor é fresco e elegante, e quando cultivada em solo chileno seus aromas remetem a nuances de cereja, morango e cranberry.

Em termos gerais, o vinho tinto resultante da Pinot Noir é leve e refrescante, podendo ser harmonizado com maestria quando os pratos fornecem maior acidez, exemplo disso são refeições feitas à base de tomates. As regiões que mais produzem a Pinot Noir no Chile são, atualmente, a área de Casablanca e do vale de San Antonio, pois com suas temperaturas mais amenas, fornecem condições ideais para o desenvolvimento desta cepa

7. Merlot

Favorita de muitos apreciadores da bebida, a uva Merlot é elencada como uma das cepas mais equilibradas, pois seus vinhos conseguem ter estrutura e ao mesmo tempo gentileza ao paladar. A região mais famosa por produzir essa fruta no Chile é a província de Colchagua.

5 características dos vinhos Chilenos

Já deu para perceber que a localização geográfica do Chile faz com que as uvas produzidas no país sejam bastante diferentes entre si e mais ainda entre as produções de outros lugares do mundo, não é mesmo?

Por isso, é fácil imaginar que o vinho chileno conta com características que o tornam único entre as produções mundiais. Além disso, a própria manufatura tem algumas diferenças interessantes. Quer conhecer quais são elas? Continue a leitura!

1. O país produz vinhos sustentáveis

Nos últimos anos, a sustentabilidade tem se tornado uma pauta importantíssima em todas as áreas. Os cuidados com o meio ambiente estão, felizmente, em alta e a produção de vinhos no Chile acompanha essas demandas.

Seja pela boa qualidade do solo, pelo isolamento geográfico (que reduz a necessidade de uso de agentes químicos) ou pelas próprias políticas de produção do país, é inegável que o Chile é um dos produtores mais ecofriendly de todo o planeta.

2. Os chilenos investem em novas tecnologias

Como vimos no início de nossa conversa, a produção de vinhos no Chile é bastante antiga. No entanto, ela era bastante primitiva e feita de maneira quase inteiramente manual, com o uso de equipamentos bastante ultrapassados.

Por conta disso, nos últimos anos, o país tem se dedicado a modernizar a sua produção e passou a investir em novas tecnologias que visam facilitar os processos e melhorar ainda mais a qualidade do produto final.

Adquira os melhores rótulos em nossa loja virtual!
Adquira os vinhos da Famiglia

3. O clima é único

Já percebemos que as condições climáticas causam muita influência nas características da uva produzida, seja no sabor, na coloração ou em vários outros quesitos que são transferidos para o produto final.

Por conta disso, é possível afirmar que o vinho chileno é único em todo o mundo, principalmente por conta da especificidade do clima do país. Com uma enorme costa oceânica e uma cadeia montanhosa (ótima reguladora de temperatura) ainda maior, o Chile une o melhor de vários aspectos geográficos que deixam a sua marca.

4. A extensa costa oceânica

Como mencionamos anteriormente, a costa oceânica do Chile é uma das maiores do mundo. Basta procurar o pequeno país em um mapa-mundi e verificar que praticamente todo o território chileno é banhado pelo mar.

Assim como os Andes agem como um regulador de temperatura, a abundância oceânica ajuda a definir o sabor das uvas produzidas no país. A suave brisa auxilia no frescor, leveza e acidez dos vinhos chilenos.

5. Os chilenos fazem misturas ousadas

Há duas classificações de vinhos quanto a composição: o varietal (que utilizam pelo menos 75% de uma única variedade de uvas em sua composição) ou os blends (que, como o próprio nome já indica, consiste na mistura de duas ou mais castas da fruta).

O que destaca os chilenos em relação aos blends feitos é o ótimo gosto e sutileza com que eles fazem as escolhas. É possível observar que nada foi feito ao acaso e sentir o cuidado na decisão na hora de degustar os ótimos vinhos criados.

Dica: Conheça quais são as 13 uvas mais tradicionais na produção de vinho

Vinhos da Argentina x Vinhos do Chile

Por conta da proximidade geográfica entre os dois países, fica fácil imaginar que ambos compartilhem das mesmas raízes culturais em relação ao vinho ou até mesmo que a bebida produzida por eles tenham sabores parecidos.

A realidade, no entanto, é bem diferente. Embora a Argentina produza vinhos de qualidade e tenha uma certa tradição em sua produção, o resultado final é bastante destoante daquele produzido em seu vizinho, o Chile.

As vinícolas chilenas ocupam praticamente todo o território do país, do norte ao sul. Já na Argentina, a produção de resume a pequenas áreas específicas, como a província de Mendoza, responsável por mais de 60% dos vinhos argentinos.

A localização da Argentina também a deixa em desvantagem em relação ao Chile. A regulação térmica observada no último país é única no mundo e favorece imensamente a produção de uvas diferenciadas e cheias de personalidade, principalmente as brancas.

5 vinhos chilenos que você precisa experimentar

Agora que já conhecemos a maestria da produção de vinhos no Chile, por onde começar? A seguir, confira uma lista com ótimas opções que não podem ficar de fora da sua degustação da bebida chilena:

  1. Yali Limited Edition Carménère
  2. Casas Del Bosque Gran Reserva Carignan
  3. Maquis Cabernet Franc
  4. Kalfu Sumpai Sauvignon Blanc
  5. Three Lagoons Syrah

Essas são, evidentemente, apenas algumas das muitas alternativas disponíveis para degustação nesse país de longa tradição na produção de vinhos. Vale a pena se aventurar nos sabores do Chile!

E aí, gostou de conhecer mais sobre os vinhos chilenos? Como podemos perceber, o Chile possui séculos de tradição na produção dessa bebida e desenvolve vinhos com características completamente únicas. O que está esperando? Comece o quanto antes a sua degustação e embarque em uma viagem de sabores!

Se interessou? Que tal aproveitar para conferir as opções disponíveis em nossa loja virtual? Lá você encontra diversas marcas produzidas no Chile e em vários outros países. Até a próxima!




Por
08/01/2019

Enólogo e Embaixador da Marca.


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!