10 dicas de harmonização de vinho rosé


10 dicas de harmonização de vinho rosé

Com o aumento da sua popularidade, especialmente no verão, o vinho rosé tem roubado a cena entre jovens apreciadores da bebida. Leve, cheio de frescor, delicado e frutado, esse tipo de vinho já provou ser o preferido dos europeus nos dias mais quentes do ano.

Bastante versátil, as possibilidades de harmonização de vinho rosé são amplas e podem agradar a todos os gostos.

Esses exemplares têm, inclusive, características semelhantes à da cerveja Pilsen (a mais consumida no Brasil): o amargor que fica presente na boca ajuda a limpar o paladar para que os alimentos sejam melhor saboreados.

Pensando em ajudá-lo a criar combinações incríveis de vinhos rosés com algumas das principais delícias da gastronomia, preparamos este material com dicas imperdíveis de harmonização. Boa leitura!

Tipos de vinho rosé

Os exemplares de vinho rosé oferecem alternativas incríveis de harmonização por estarem, justamente, numa classificação entre o vinho branco e o tinto. Apesar de contarem com menos taninos, esse tipo de vinho contém frescor e corpo para se aliar a diversos elementos culinários.

São vários os estilos de rosés presentes no mercado: os mais secos e com menor teor de açúcar, os mais encorpados e os que passam mais tempo em contato com a madeira são alguns exemplos. A seguir, veja os tipos de rosés mais consumidos:

Seco e ligeiro

São exemplares com baixo teor alcoólico, pouco açúcar, bastante leveza e boa acidez. Se caracterizam como ótimos acompanhantes de aperitivos, como comida japonesa, saladas, mariscos e finger foods.

Dica: Como fazer harmonização de vinhos e comida japonesa? Descubra!

Adocicado e ligeiro

Esses vinhos são bem leves e possuem um agradável aroma. São simples, atrativos e podem ser gaseificados, com doçura e alguma acidez presentes.

Combinam bem com saladas de frutos do mar, carnes suaves e elementos da cozinha asiática.

Mediano

Provavelmente esse é o estilo mais comum no mercado, onde os rótulos variam de secos a meio secos e contam com um bom equilíbrio entre as sensações de doçura e acidez.

Normalmente, os medianos apresentam ligeiros extratos de taninos, o que os torna muito versátil para a adaptação gastronômica.

Elegante e fino

Esses estilos de rosés se destacam pelo equilíbrio e a finura, exibindo alguns detalhes pontuais que os tornam distintos. Em sua maioria, são provenientes de castas aromáticas e com tendência a ser “seca”.

Seu consumo é bastante versátil, mas se destacam quando combinados com pratos refinados e sutis em sabor.

Encorpado e aromático

Esses rótulos, por sua vez, são mais intensos e alcoólicos e se aproximam dos vinhos tintos em termos de estrutura. Suas cores são mais intensas e sua origem provém de castas que apresentam bom corpo, como as clássicas uvas Syrah, Merlot, Cabernet Sauvignon e Touriga Nacional.

Alguns desses rosés passam por contato com a madeira e obtém um perfil mais curioso e exótico. Por isso, vão muito bem com pratos suculentos e complexos.

Confira os vinhos Rosé da Famiglia Valduga!
Adquira os vinhos da Famiglia

Como servir esses vinhos

O serviço dos vinhos rosés se assemelha muito ao dos vinhos brancos. Como o consumo é mais acentuado no verão, deve-se cuidar apenas para não degustar a bebida em temperaturas muito frias, uma vez que isso pode dificultar a percepção de todos os seus aromas e sabores.

Portanto, os rosés mais ligeiros e com maior teor de açúcar são mais interessantes quando servidos entre 6 e 8 graus, enquanto os mais encorpados são melhor apreciados entre 12 e, no máximo, 14 graus. Essas temperaturas garantem o frescor e todas as características especiais dos rosés.

Quanto às taças, as altas e estreitas podem ser boas opções para os rótulos mais ligeiros. Para aqueles mais intensos, copos de vinho branco com abertura mediana são boas pedidas.

10 harmonizações de vinho rosé

Agora que você conhece os estilos e sabe como servir, é hora de conferir as melhores maneiras de se fazer a harmonização de vinho rosé:

1. Tábuas de frios

Os rosés são perfeitos para acompanhar uma boa tábua de frios composta por mortadela, presunto cru, carpaccio, chouriço, salsichões, linguiça calabresa e pastrami.

A estrutura desses vinhos harmoniza e limpa o sabor dos petiscos curados sem que sua acidez entre em conflito com os possíveis acompanhamentos de pickles, mostarda, geleias agridoces e pimenta.

2. Aperitivos fritos

A versatilidade dos rosés permite que sejam combinados com os mais diferentes tipos de frituras, como:

  • lulas à dorê;
  • batatas bravas — crocantes por fora e macias por dentro, servidas com molhos espanhóis;
  • arancini — bolinho de risoto italiano recheado de queijo;
  • batatas fritas com mostarda dijon;
  • entre outros.

Dica: Quais são os vinhos que mais bem acompanham frios e embutidos?

3. Pizzas

O vinho rosé combina muito com esse prato que é adorado no mundo inteiro, uma vez que equilibra o sal dos queijos e a gordura das fatias que levam carnes picantes, como a linguiça.

Se a pizza contar com ingredientes de alto teor de gordura, vale a pena se aventurar com a linha de espumantes rosés.

4. Salgados

Tanto a coxinha, clássico salgado nacional, quanto os famosos pastéis de carne ficam deliciosamente harmonizados com os rosés.

5. Queijos

Esses vinhos são curingas quando o assunto é queijo. Combinam com os de casca branca, como o brie, passando pelos semiduros, como o gouda, até os de cabra, quando aliados com rosés de mesma intensidade.

6. Massas

Diferentemente de alguns tintos, os rosés suportam muito bem massas à base de molhos mais ácidos, como os de tomate. São ótimos ainda com as pastas frescas que acompanham frutos do mar e até com as versões mais cremosas e recheadas, como um bom ravioli de espinafre.

7. Peixes

Peixes como o salmão grelhado, acompanhados de saladas ou preparados com ervas e molhos de frutas frescas, são muito bem servidos ao lado de uma bela taça de rosé.

Opções mais elaboradas, como o típico bacalhau à Brás e as icônicas moquecas, pedem a leve adstringência e o frescor desses vinhos.

Confira os vinhos Rosé da Famiglia Valduga!
Adquira os vinhos da Famiglia

8. Frutos do mar

Rótulos de rosé podem ser servidos sem medo na hora de combinar com as iguarias vindas do mar, como atum, carpaccio de polvo, canapés de salmão, camarões à moda tailandesa, mariscos cozidos e patê de atum, por exemplo.

9. Carnes

Os rosés são a opção perfeita para pratos com proteínas mais apimentadas e temperadas, como acarajé e tacos mexicanos, pois sua acidez equilibrada refresca a boca da ardência dessas escolhas.

Combinam também as proteínas brancas, como frango assado com batatas e legumes ou o bom salpicão de frango.

Como possuem menos taninos que os tintos e são mais estruturados que os brancos, os rosés podem ser harmonizados com pratos de carne vermelha, como carne assada, filés grelhados, picadinho de carne etc.

10. Sobremesas

Se engana quem pensa que a versatilidade dos rosés se retém aos pratos salgados. Exemplares desse estilo, principalmente os secos, podem ser servidos com frutas frescas, como o melão, ou ainda com sorbet e tortas à base de frutas vermelhas.

É fácil se deliciar e, mais ainda, se apaixonar por esse estilo de vinho. Flexível e muito saboroso, é a pedida ideal para aproveitar boas companhias junto aos mais variados pratos culinários.

Agora que você sabe como fazer uma boa harmonização de vinho rosé, com certeza também já pode se render aos encantos dessa bebida tão consumida. Saúde!

Gostou deste conteúdo? Quer saber tudo sobre o mundo dos vinhos? Então assine nossa newsletter e receba todas as nossas atualizações diretamente em seu e-mail!




Por
23/08/2018

Enólogo e Embaixador da Marca.


Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!

Assine nosso blog

Não perca nenhuma novidade!